sexta-feira, 3 de outubro de 2008

Mais reflexões breves

Atitudes na Casa de Deus – Eclesiastes 5:1

Vivemos em tempos em que as pessoas acreditam que suas opiniões e vontades estão acima de todas as coisas. Tempos em que o conforto e a satisfação pessoal se sobrepõe ao respeito pelo próximo e, pior, que desconsidera qualquer respeito a Deus. Essa é uma postura tanto de liberais, que acreditam no vale tudo, como dos conservadores que defendem o proibir tudo. Tanto uns como outros estão mais preocupados em satisfazer suas preferências do que agradar a Deus. Quando Deus exige respeito a quem adentra na casa de Deus não é de aparência pessoal que Ele está falando, mas de vida cristã. Ele quer crentes que sejam misericordiosos com os necessitados e que não se deixem corromper pelo mundo. Esses estão sempre prontos a ouvir a mensagem que o Pai tem para eles e não oferecem seu culto em vão.

Pedi e Recebereis – João 16:23-24

Muitas pessoas que se autodenominam pastores, profetas e apóstolos têm difundido uma doutrina herética de que os filhos de Deus têm o direito de exigir D´ELE tudo o que quiserem, especialmente bens materiais. Confundem chuva de bênçãos com chuva de dinheiro. Jesus nos garante que o Pai nos concederá tudo o que pedirmos em nome do Filho, nosso problema é que queremos que o Filho seja intermediário de desejos que contrariam a vontade do Pai. Nós não temos a coragem manipular pais e amigos para pedir coisas más para alguém, por quê então o fazemos com Jesus Cristo? Se parássemos para pensar um pouco melhor antes de pedir tais coisas, não cairíamos no erro apontado por Tiago: que pedimos mal, apenas para o nosso deleite.

Manifestando a Verdade – 2ªCoríntios 4:1-4

O empresário americano do século XIX, Andrew Carnegie, dizia que “ao envelhecer, parei de escutar o que as pessoas dizem. Agora só presto atenção no que elas fazem." Um simples constatação de que o testemunho é muito mais eloqüente que o discurso, algo que a Bíblia nos diz o tempo todo. As nossas más práticas podem até ficar ocultas dos homens, nunca de Deus e, mesmo quando não sabem exatamente o que acontece, os homens sabem distinguir aqueles que andam com Deus, dos que somente se dizem de Deus. A luz do evangelho e a glória de Cristo se manifestam nos nossos atos. Os que andam de outra forma, na verdade, não conhecem o Evangelho em suas vidas.

Escolhidos Pelo Senhor – João 15:16

Ah...Como é dolorido para o homem ter de reconhecer humildemente que ele nada pode fazer por sua própria salvação. Tão dolorido que há séculos muitos têm se dedicado a distorcer a mensagem revelada nas Escrituras de que fomos escolhidos por Deus. A graça que, para nós que somos salvos, é algo maravilhoso, para os que não crêem é uma oferta que envergonha aqueles que acreditam serem donos dos seus próprios narizes. Desde antes de criar qualquer coisa Deus já havia escolhido os seus. Não nos escolheu a partir dos méritos de cada um, no entanto nos escolheu com um objetivo claro: para darmos frutos. E frutos para a Glória de Deus.

Tesouro em Vasos de Barro – 2ªCoríntios 4: 6-10

Nós gostamos de enfeitar as nossas casas com objetos de valor. Cada um, de acordo com a sua condição econômica, tem os seus enfeites em lugares de destaque. Algumas vezes, os recipientes que usamos são mais bonitos e chamativos do que aquilo que colocamos dentro deles. Deus não age assim. Ele escolheu pessoas imperfeitas, pecadoras, carentes, ignorantes e esquecidas para Si. Pessoas carentes que precisam que o seu conteúdo seja mais importante que elas mesmas. Somos objetos de baixo valor contendo o bem mais valioso de todos: a luz do conhecimento da glória de Deus, o reflexo da pessoa de Cristo. Todos os que querem ter brilho próprio, acabam obscurecidos pela ausência de Deus nas suas vidas.

Servir de Modelo – 1ª Timóteo 1:16-17

Se formos escolhidos para dar frutos, apesar de imperfeitos. Se o nosso brilho só existe quando manifestamos o verdadeiro evangelho. Se somente somos algo quando Cristo está nos nossos corações. Como é que podemos achar que somos modelo da verdade e do que é bom? Nós que nada somos, só podemos agradecer a misericórdia de Deus que faz de nós testemunho da Sua verdade. Só podemos glorificar a Deus porque ele nos usa como instrumentos para que a sua mensagem chegue a outros que também foram escolhidos para crer. Só podemos dar frutos quando reconhecemos que é o poder de Deus que executa em nós tanto o querer como o realizar.

Ceifa e Ceifeiros – João 4:35-37

Um amigo que atua na mesma área que eu costuma dizer que no nosso negócio existem dois tipos de profissionais: os que são bons planejadores e os que são bons executores. Quem tenta ser ambos, não é bom em nenhuma das coisas. Deus, quando nos escolhe para dar frutos, também a cada um dá dons específicos. Alguns para semear, outros para cuidar e proteger os campos, outros para colher. De uma forma que nenhum de nós é mais importante que o outro, mas que todos possamos juntos nos alegrar pelo resultado do nosso trabalho. E glorificar a Deus, sem quem, qualquer esforço nosso seria absolutamente inútil.

Publicado originalmente no boletim da Igreja Presbiteriana Unida de São Paulo em Setembro de 2008

Um comentário:

Juber Donizete Gonçalves disse...

Felipe,

Essa dos liberais quererem o vale tudo e os conservadores proibirem tudo uma síntese interessante. Parabéns pela postagem.

Abraço.