sexta-feira, 13 de março de 2009

Nota máxima


Qualquer, pois, que violar um destes mandamentos, por menor que seja, e assim ensinar aos homens, será chamado o menor no reino dos céus... Mt 5:19a


A maioria das escolas que eu conheço entendem que um aluno que atinge a média 7 numa matéria, está apto para continuar o seu curso. Algumas são um pouco mais tolerantes e aceitam notas um pouco menores.

Em outros contextos, no entanto, a exigência pode ser maior. Alguns sistemas de avaliação empresarial tem metas mais altas. Em concursos classificatórios, a nota mínima é definida pela competência (ou incompetência) coletiva, se os candidatos forem bons, a nota mínima sobe.

De qualquer forma, é quase uma unanimidade que um sujeito nota 9 faz parte do topo da pirâmide do conhecimento ou da qualidade. Nelson Rodrigues contestaria minha afirmação lembrando que toda unanimidade é burra. Tenho de concordar com ele.

O que não significa que muitos crentes tenham entrado nessa onda. Já ouvi gente dizendo, como se fosse um crente do tipo "superior", que era um cristão nota 9. Sua referência era muito simples, ele entendia que nunca descumpria 9 dos 10 mandamentos (não, não tive a coragem de pergunta em qual deles ele falhava).

Da mesma forma ouvimos, não com pouco frequência, infelizmente, pessoas que se vangloriam de ter quase todos os frutos do espírito (devem ser árvores enxertadas que dão dois tipos de fruto), ou que se enquadram na maioria das bem-aventuranças (também não sei exatamente o que é ser semi-bem-aventurado)

Quando Deus nos oferece essas listas não é o Seu objetivo que a gente as use como cardápios de restaurantes, onde escolhemos algumas coisas em detrimento das outras.

Essas fazem parte da Sua vontade preceptiva, ações e comportamentos que Ele nos recomenda a ter. O mínimo que Deus quer são cristãos nota 10, que cumpramos a lei na prática e nas intenções.

Mais que isso, cumprir a lei é o mínimo que devemos fazer, a Bíblia nos revela que o verdadeiro cristão não é apenas aqueles que cumpre as regras, mas que tem uma vida de piedade que vai muito além delas.

Se você está satisfeito apenas em alcançar um desempenho medíocre no sua vida espiritual é porque ainda não passou por uma experiência real de conversão. Aquele que realmente tem Cristo no seu coração não passa a ser um pessoa que nunca peca, mas é uma pessoa cotidianamente incomodada com os seus pecados e em constante busca de crescimento espiritual.

Os nota 7, 8 ou 9, podem até pensar que são grande coisa. Para Deus, o seu valor só se compara aos menores.

5 comentários:

Lou Mello disse...

Espero que o sistema não seja de auto-avaliação. Sou um pouco auto-imagem negativa quando o tema é a espiritualidade, me sentindo menos espiritual, na maioria do tempo. Gostaria de ser, naturalmente, mais generoso, mais fiel, mais manso, mais bondoso e todas aquelas coisas bonitas enumeradas por Paulo aos Gálatas, mas fico sempre com notas baixas nesses itens.

bete disse...

Fábio, eu sou uma pessoa cotidianamente incomodada com meus pecados, mas sinceramente - e agora falo sério - não sei o que é busca de crescimento espiritual. Já descobri que no meu caso ler a bíblia e fazer orações não funcionam - não consigo articular uma oração que seja, me distraio antes de acabar (mente bipolar, agitada). Quanto à bíblia, já a li demais, e não mudou a minha vida grande coisa. Não estou falando tudo isso para ser do contra não, estou realmente me abrindo. Gostaria - mesmo - de saber o que se define por crescimento espiritual. Se a explicação me convencer, eu juro que vou tentar, não será a primeira vez que tento algo. Você sabe que eu te levo a sério, senão não voltava sempre aqui, então, querido professor, a palavra está com você.

Fábio Adiron disse...

Bíblia e oração são instrumentos muito poderosos para o crescimento espiritual, o que não significa que grandes leitores de Bíblia ou oradores compulsivos efetivamente cresçam. Paulo já dizia para os Coríntios que eles eram bebês espirituais e só tomavam leite e não toleravam nada mais sólido.
Crescimento espiritual é o processo pelo qual nos tornamos mais parecidos com Jesus Cristo. Quando colocamos nossa fé em Jesus, o Espírito Santo inicia o processo a fim de que nos tornemos mais parecidos com Jesus, fazendo com que tomemos Sua forma, nos “conformemos” à Sua imagem. O crescimento espiritual é talvez descrito da melhor forma em II Pedro 1:5-8, que nos diz que: E por isso mesmo vós, empregando toda a diligência, acrescentai à vossa fé a virtude, e à virtude a ciência, e à ciência o domínio próprio, e ao domínio próprio a perseverança, e à perseverança a piedade,
e à piedade a fraternidade, e à fraternidade o amor. Porque, se em vós houver e abundarem estas coisas, elas não vos deixarão ociosos nem infrutíferos no pleno conhecimento de nosso Senhor Jesus Cristo.
Em Gálatas 5:19-23 encontramos duas listas. Gálatas 5:19-21 lista as “obras da carne”. Estas são as coisas com as quais nossas vidas se identificavam antes de confiarmos em Cristo para a salvação. As obras da carne são as atividades que devemos confessar, delas nos arrepender, e, com a ajuda de Deus, superar. Conforme experimentamos crescimento espiritual, cada vez menos as “obras da carne” estarão evidentes em nossas vidas. A segunda lista diz respeito ao “fruto do Espírito” (Gálatas 5:22-23). Com isto nossas vidas devem se identificar agora que experimentamos a salvação em Jesus Cristo. O crescimento espiritual se identifica pelo “fruto do Espírito” se tornando mais e mais evidente na vida de um crente.

bete disse...

Achei tua explicação tão linda e comovente que vou tentar. Mais uma vez.

Fábio Adiron disse...

Bete

Fico feliz que continue tentando. Até sermos transformados essa é a parte que nos cabe.

A explicação realmente é linda, mas não é minha, aliás, nem de Pedro nem de Paulo, mas revelada através deles.

Beijo