quinta-feira, 22 de maio de 2008

A oferta de Caim

"...mas para Caim e para a sua oferta não atentou." Gn 4:5


Nós costumamos agradecer aquilo que Deus nos dá, com a certeza que tudo vem d´Ele. Damos graças nas nossas orações. Devolvemos o nosso dízimo. Até damos ofertas especiais em algumas ocasiões. Mas como é que temos agradecido ?

É verdade, alguns nem agradecem e fingem que não é com eles. Outros se limitam a um obrigado. Muitos retribuem os presentes de Deus. Poucos reconhecem a Sua soberania sobre todas coisas, especialmente sobre as suas vidas.

Caim e Abel foram pessoas gratas a Deus. Isso num tempo em que nenhuma lei prescrevia que devessem algum tipo de oferta, ou seja, ambos deram voluntariamente (o que também demonstra que não é porque a oferta é voluntária que ela é melhor). Cada um deles ofertou conforme o fruto do seu trabalho.

Deus aceitou a ofera de um e rejeitou a do outro. Será que temos um Deus carnívoro que não gosta de vegetais ? Se assim fosse, Deus não teria requerido ofertas de manjares como está escrito em Levítico 2. Como podemos entender a forma como Deus julga as nossas ofertas ?

Basta olhar com cuidado para essa história :

Deus não gosta de sobras

O texto diz que Caim deu um fruto da terra, enquanto Abel ofertou as primícias e a gordura (a melhor parte). Deus se agrada de quem o coloca no lugar certo - o primeiro lugar. De quem lhe oferece o que tem de melhor. Não de quem paga as contas e, se sobrar oferece algo. Não de quem vai à Igreja só quando não tem um programa melhor. Não de quem doa aquilo que ocupa espaço na sua casa e precisa se livrar. Nem aceita a desculpa de que "não é o melhor, mas é sincero". De boas intenções, já diria minha mãe, o inferno está repleto.

Deus não se vende

Deus não barganha com o que é a obrigação do crente. Ao contrário do que algumas seitas preceituam, Deus não negocia bençãos no balcão dos púlpitos. Deus não nos deve nada, se Ele nos dá algo é por sua maravilhosa graça, não pelo nosso merecimento. E a primeira primícia que Ele quer é a nossa vida. Não há oferta ou trabalho que esconda uma vida de pecados ou dedicadas a outras atividades. Da mesma forma que não existe dedicação à Igreja que substitua a permanente entrega das nossas vidas a Deus.

Deus não se deixa iludir

Uma vida de entrega a Deus só conduz a mais entrega, uma vida afastada de Deus só leva a mais pecados. Não podemos jogar a culpa da rejeição em Deus, se somos rejeitados é porque provocamos isso e, como Deus alerta Caim, há tempo de se corrigir, mas se não houver correção, vai pecar ainda mais - que foi exatamente o que aconteceu.

Caim agradeceu. Abel se declarou um servo. Você tem feito o que ?

2 comentários:

Lou Mello disse...

No trabalho de alfabetização, um dos itens necessários ao sucesso do capitalismo selvagem, fazemos um trabalho de prontidão com a criança ou o adulto (quando for o caso) preparando a vítima física e mentalmente para receber o veneno. No caso da oferta acredito, há tempos, ser necessário preparar as pessoas para a contribuição. Vivemos em terras catolicizadas (essa eu inventei agora) e o pessoal está mais pronto a dar esmolas do que a contribuir. Sua lição seria excelente na preparação para a boa contribuição.

Carlos Bonfá disse...

Prezado Fábio
Eu sou Carlos Bonfá (carlosbonfa2@hotmail.com) e estou estudando essa passagem das Escrituras. Ela me me chama muito a atenção! A maioria dos comentários em torno desse texto é recheada de pre-conceito, não permitindo que a Bíblia fale. Eu não consigo ver nenhuma causa em Caim para ser rejeitado e nenhuma em Abel para ser aceito. Você concorda que a causa da rejeição de um e a aceitação do outro está unicamente em Deus? A eleição incondicional é ensinada aqui? Outro ponto que gostaria de refletir é aquele que Deus diz a Caim: "Mas se não estás bem disposto, não jaz o pecado à porta, como animal acuado que te espreita; podes acaso dominá-lo?" (Bíblia de Jerusalém) Estaria Deus incentivando Caim para que este fosse em busca do domínio do pecado com fim de entender toda a malignidade da natureza humana e voltasse para Deus, clamando por misericórdia? Essas duas passagens da Bíblia estão ensinando eleição, depravação e graça? Obrigado!