quinta-feira, 12 de junho de 2008

Elegendo prioridades

Ao que respondeu Ageu, dizendo: Assim é este povo, e assim é esta nação diante de mim, diz o Senhor; assim é toda a obra das suas mãos; e tudo o que ali oferecem imundo é. (Ageu 2:14)


Eu sempre gostei muito do livro de Ageu. Não só pelo significado do nome do autor (festivo) mas, principalmente, porque o curtíssimo livro do profeta é uma fabulosa aula de eclesiologia. Sempre fico impressionado, quando olho para nossas igrejas e vejo nelas o povo de Israel daquele tempo. Explico melhor.

O povo tinha voltado do cativeiro, começou a reconstruir o templo e resolveu dar uma pausa. De 15 anos! Simplesmente abandonaram a obra. O mesmo povo que achou que ia encontrar um jardim florido no seu retorno, e achou um país abandonado e miserável. Que achou que o castigo tinha terminado, mas sofria com as secas. Era um povo em crise, não mais política ou bélica. Sofriam de paralisia moral e de acomodação. Resignados, matavam a fé aos poucos.

Nesse contexto Deus levanta o profeta. Não para chamar ao arrependimento como no passado, mas para provocar a mudança de atitude e mostrar quais deveriam ser as prioridades. Não veio para dar receitas de como levantar a moral, não publicou um livro de auto ajuda, nem fez sermões barganhando prosperidade. Deixou claro que se eles não tinham nada é porque Deus não ocupava o primeiro lugar nas suas vidas. O trabalho deles se tornara inútil, seu culto desprezível.

Essa é a mesma situação que vemos tantas vezes dentro das nossas igrejas. Pessoas que nunca tem tempo para Deus, porque têm tantas outras prioridades que, quando muito, se dignam a aparecer no culto. Pessoas que acham que a obra não precisa delas, já tem gente fazendo mesmo... Pessoas que acreditam que seu sucesso na vida depende do seu esforço pessoal ou, ultimamente, de acreditar com bastante força em segredos.

Você está relegando Deus a planos inferiores? Nada vai dar certo. Inútil será levantar de madrugada...

Movido pela mensagem, o povo retomou o trabalho. E, em seguida, começou a resmungar. Ah...esse templo novo é tão feinho, nem parece o de Salomão - como se, depois de 70 anos de exílio, algum deles tivesse visto o templo original. Eu já escrevi antes sobre isso.

Isso não lembra algumas frases que você ouve ? "No meu tempo a mocidade era mais animada". "Esse coral está tão desafinado". "Quando fulano dava aula de Escola Dominical era bem melhor". Claro, os que falam nunca são aqueles que vão animar a mocidade, cantar no coral ou sequer assistir aula de ED, quanto mais trabalhar para melhorá-la.

Aos que trabalhavam, Ageu trouxe a mensagem de Deus : vão em frente! Quem trabalha, se preocupe em agradar a Deus e não dê bola para as fofocas e murmurações. Glória por glória, nenhuma será maior que a dos céu.

Você trabalha para Deus e os outros criticam? Não olhe para os lados. Deus é quem julgará, a Ele que você deve satisfações.

Ageu ainda deixa um recado final. Vocês lembram da miséria em que estavam antes? Não esqueçam os erros do passado para não incorrer nas mesmas consequências.

4 comentários:

Antonio Francisco disse...

Dei uma olhadinha rápida em seu blog e gostei. Verei com mais calma.

Um abraço.

Antonio Francisco

bete pereira da silva disse...

Fábio, estive aqui e li tudim. Vou colocar este no meu google readers, o insanidades já está. Boa noite.

Alice disse...

Fábio, cada vez que venho ler-te me surpreendo mais com sua inteligencia e sabedoria, mas o que mais me adoça a alma e ver Deus te usando pra falar com a gente.
Obrigada viu !!
abraços pra v c

Fábio Adiron disse...

Antonio: seja bem vindo, e volte sempre

Bete: obrigado !

Alice: que seja sempre para a glória d´Ele e nunca a minha